The Global Cost of Electronic Waste: Swiss and Brazilian experiences

O lixo eletrônico é um problema que gera alto impacto para o meio ambiente. Participe deste encontro sobre experiências brasileiras e suíças no enfrentamento a este desafio de escala global.

Event Details

Location

UNIBES Cultural Library
Rua Oscar Freire 2500, Sumaré, São Paulo, São Paulo 01426-001 Brazil

Date

August 09, 2018 from 10:00 pm to 1:00 am America/Sao Paulo (UTC-02:00)

Cost

Reserva gratuita

O custo global do lixo eletrônico: experiências do Brasil e Suíça

Tendências globais de mercado e novos hábitos de consumo pressionam o lançamento contínuo de novos aparelhos eletrônicos. Aparelhos com pouco tempo de uso, muitas vezes em boas condições, são trocados por novos. Além disso, uma estratégia das empresas conhecida como “obsolescência programada” reduz a vida útil de produtos, ampliando um problema de escala global de alto impacto para o meio ambiente: o lixo eletrônico.

Telefones celulares, computadores, câmeras, geladeiras, máquinas de lavar roupas, e muitos outros dispositivos elétricos e eletrônicos escondem valiosas matérias-primas, como ouro, prata e metais nobres, que processos de reciclagem podem recuperar, gerando renda e inclusão social. Porém, a reciclagem ainda é feita em pequena escala e muitas pessoas não sabem como fazer o descarte corretamente. Milhões de toneladas de lixo eletrônico geram riscos de contaminação por metais pesados e radioativos a pessoas, ao solo e cursos de água. Embora as legislações do Brasil e da Suíça obriguem o recolhimento de lixo eletrônico, a prática não é totalmente aplicada ou executada de forma eficiente. São necessárias iniciativas para melhorar os procedimentos de reciclagem e ampliar ações educativas para transformar hábitos dos consumidores.

A Suíça está entre os países mais eficientes em reciclagem. A Dr. ª Karine Siegwart, vice-diretora do Federal Office for the Environment da Suíça (FOEN), vai compartilhar experiências do trabalho na Suíça e de pesquisas no Brasil. Para enriquecer a conversa, Éverton Menezes Costa, catador de resíduos do Cataki “Pimp my carroça” participará da discussão. Também comporão a mesa Caio Miranda, da TechTrash, uma startup do Rio de Janeiro que oferece soluções personalizadas de Logística Reversa para a gestão de resíduos eletrônicos; Tereza Cristina Carvalho, pesquisadora do CEDIR/USP (Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática); e Flávio de Miranda Ribeiro, da Cetesb. A mediação será realizada por Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, da Abrelpe.

Convidados:

Karine Siegwart, Escritório Federal do Meio Ambiente da Suíça
Karine é vice-diretora do Escritório Federal do Meio Ambiente e dirige a Divisão de Hidrologia, a Divisão de Resíduos e Recursos, a Divisão de Economia e Inovação e a Seção de Monitoramento Ambiental. Formada em Direito pela Universidade de Freiburg, com PhD sobre “Os cantões e a política europeia federal”. É Mestre em Direito Europeu pelo Instituto Europeu da Universidade do Saarland (Alemanha) e após períodos como pesquisadora sênior na Universidade de Zurique, EUA e Brasil, entrou na Administração Federal, em 2003, no setor de Questões de política europeia (atualmente Directorate for European Affairs, DEA). Em 2007, integrou a Secretaria Federal para o Meio Ambiente, responsável pela Seção Europa, Comércio e Desenvolvimento para Cooperação. É palestrante na ETH Zürich, responsável por um curso sobre processos de mediação e planejamento ambiental.

Tereza Cristina Melo de Brito Carvalho, fundadora do Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática da USP
Professora associada da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), professora visitante na Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne e Doutora em Redes de Computadores pela Escola Politécnica. É fundadora e diretora geral do LASSU (Laboratório de Sustentabilidade em TI) e co-fundadora e pesquisadora principal do LARC (Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores). Foi fundadora e coordena o Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática da USP e recebeu diversos prêmios referentes à Inovação Tecnológica e Sustentabilidade.

Caio Miranda, CEO da startup TechTrash
Caio Miranda é geógrafo de formação pela UFRJ, pós-graduado em Meio Ambiente pela Coppe/UFRJ e Mestrando em Sistemas de Gestão pela Escola de Engenharia da UFF. Empreendedor focado em negócios sustentáveis e CEO da Tech Trash, recentemente aportado pela Aceleradora Sai do Papel e aceito no programa Inovativa Brasil. A Tech Trash é uma startup pioneira no Rio de Janeiro, que oferece soluções personalizadas de Logística Reversa para a gestão de lixo eletrônico de empresas e pessoas.

Everton Menezes Costa, catador do Pimp my carroça
Catadores de resíduos são responsáveis por 95% de tudo que o Brasil recicla. O Pimp My Carroça é um movimento que atua desde 2012 para tirar os catadores de materiais recicláveis da invisibilidade e aumentar sua renda por meio da arte, sensibilização, engajamento e participação coletiva. Mais de dois mil catadores já foram atendidos, mobilizando grafiteiros e voluntários, através de mutirões de pintura e pequenos reparos. As ações do projeto já foram replicadas em 13 países. Em 2017, o Pimp My Carroça lançou o Cataki, aplicativo que orienta a destinação correta de resíduos.

Flávio de Miranda Ribeiro, engenheiro mecânico com especialização em Gestão e Tecnologias Ambientais (USP), Mestrado em Energia (USP) e Doutorado em Ciências Ambientais (USP). Integra o Departamento de Assuntos Internacionais da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). É  membro do Grupo de Especialistas em Consumo e Produção Sustentáveis do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), pesquisador do Grupo de Prevenção à Poluição – GP2 (Escola Politécnica -USP) e do Programa de Gestão Estratégica Socioambiental – PROGESA (FIA).

Mediação: Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, Diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Vice-presidente da International Solid Waste Association (ISWA), advogado, pós-graduado em Direito Administrativo e Econômico pela Universidade Mackenzie e autor do livro Resíduos Sólidos: o que diz a lei.

 

            

The Global Cost of Electronic Waste: Swiss and Brazilian experiences

Global market trends and new consumer behavior generate a continuous flood of new products on the market. Devices with little time use, often in good condition, are replaced by new ones. Besides, a business strategy known as “planned obsolescence” reduces the lifespan of products by broadening a global scale problem of high impact to the environment: electronic waste.

Cell phones, computers, cameras, refrigerators, washing machines, and many other electrical and electronic devices carry valuable elements such as gold, silver, and noble metals, which recycling processes can recover, generating income and social inclusion. However, recycling is still done on a small scale, and many people do not know how to dispose of e-waste. Millions of tons of electronic waste generate risks of contamination by heavy and radioactive metals to people, soil, and waterways. Although the laws of Brazil and Switzerland require the correct disposal of electronic waste, the practice is not adequately enforced or implemented efficiently. Initiatives are necessary to improve recycling procedures and broaden educational actions to transform consumer habits.

Switzerland is among the most efficient recycling countries. Dr. Karine Siegwart, Vice Director of the Federal Office for the Environment of Switzerland (FOEN), will share experiences of her work in Switzerland and research in Brazil. To enrich the conversation, Everton Menezes Costa, garbage collector from Cataki / Pimp my wagon will join the discussion; Caio Miranda, from TechTrash, a startup form Rio de Janeiro that offers customized Reverse Logistics solutions for the management of electronic waste; Tereza Cristina Carvalho, researcher at CEDIR / USP (Center for the Disposal and Reuse of Computer Waste); Flávio de Miranda Ribeiro, from Cetesb; and Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, from Abrelpe, will mediate the table.

Karine Siegwart grew up in Freiburg, Switzerland and Germany. She studied law at the University of Freiburg and in 1996 obtained her PhD on “The cantons and federal European policy”. She also has a Master in European Law from the European Institute of the University of Saarland (Germany). Following a spell as Senior Research Associate at the University of Zurich, periods of research in the U.S. and Brazil, and training as a mediator at the University of Applied Sciences Northwestern Switzerland, in 2003 Karine Siegwart joined the federal administration at the integration office responsible for European policy issues (now the Directorate for European Affairs, DEA). In 2007 she moved to the Federal Office for the Environment as head of the Europe, Trade and Development on Cooperation Section. Since 2007 she has also been a lecturer at the ETH, where she is responsible for a course on mediation processes and environmental planning.  Karine Siegwart (1964) has been Vice Director of the Federal Office for the Environment FOEN since 1 January 2013. She heads the Hydrology Division, the Waste and Resources Division, the Economics and Innovation Division and the Environmental Monitoring Section.

Tereza Cristina Melo de Brito Carvalho is an Associate Professor at the Polytechnic School of the University of São Paulo (USP), visiting professor at the Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne and Ph.D. in Computer Networks at the Polytechnic School. She is the founder and general director of LASSU (Laboratory of Sustainability in IT) and co-founder and principal investigator of LARC (Laboratory of Architecture and Computer Networks). She is the founder and coordinator of the Waste Disposal and Recycling Center at USP and received several awards regarding Technological Innovation and Sustainability.

Caio Miranda is a geographer from UFRJ, with a Postgraduate degree in Environment from Coppe/UFRJ and a Master’s degree in Management Systems from Universidade Federal Fluminense School of Engineering. He is an entrepreneur focused on sustainable businesses, CEO of Tech Trash, recently accelerated by Sai do Papel and accepted in the Inovativa Brasil program. Tech Trash is a pioneering startup in Rio de Janeiro that offers customized Reverse Logistics solutions for the management of corporate and personal waste.

Everton Menezes Costa, waste picker for Pimp My Carroça, an organized movement since 2012 which take collectors of recyclable materials from social invisibility and increase their income through art, awareness, engagement and collective participation. More than two thousand collectors have already been attended, mobilizing graffiti artists and volunteers, through painting and minor repairs. The project’s actions have already been replicated in 13 countries. In 2017, Pimp My Cart launched Cataki, an application that guides the correct disposal of waste.

Flávio de Miranda Ribeiro, Mechanical Engineer with Specialization in Environmental Technologies and Management (USP), Master in Energy (USP) and Ph.D. in Environmental Sciences (USP). He is part of the Department of International Affairs of the Environmental Company of the State of São Paulo (Cetesb). He is a member of the Group of Experts on Sustainable Consumption and Production of the United Nations Environment Programme (UNEP), researcher of the Pollution Prevention Group – GP2 (Polytechnic School -USP) and the Strategic Environmental Management Program – PROGESA (FIA ).

Mediation: Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, President of the Brazilian Association of Public Cleaning and Special Wastes (Abrelpe), Vice President of the International Solid Waste Association (ISWA), lawyer, postgraduate in Administrative and Economic Law by Mackenzie University and author of the book Solid Waste: What the Law Says.

Top