Microalgas, Artes e Afrobeats: de Da Vinci e matemática ao espaço

Na quarta edição de talks@swissnex no dia 14 de Junho, um mix exótico de ciência, artes e música atraiu quase sessenta pessoas para o nosso terraço na Glória.

O curador do Museu do Amanhã, Luiz Alberto Oliveira, iniciou o evento lindamente com uma apresentação sobre arte e a sua conexão com ciência – de uma maneira bastante geral e histórica, começando com a representação do espaço e da profundidade, usando geometria e matemática nas pinturas. Ele mostrou a complexidade e a beleza de microorganismos, figuras e formas da natureza que podem ser interpretados como arte, focando na questão da imprevisibilidade – e com ela a beleza – da natureza.

Depois da apresentação do Luiz Alberto, Tito Lee de el Patrol – a dupla artística da suíça que está planejando o FLUX Art Festival em Florianópolis – contou um pouco sobre o projeto “Planet A”, cujo objetivo é de modificar o crescimento de microalgas através de frequências diversas como som, luz ou ondas eletromagnéticas. Ele falou sobre a resistência fortíssima da planta, que sobrevive tranquilamente no espaço e que parece ser o ser vivo mais antigo do planeta. A capacidade e o potencial da alga é impressionante: tanto por questões de medicina quanto por alimentação. O projeto ainda está sendo desenvolvido e Tito contou onde e com quem eles chegaram já, o que vão fazer agora e onde querem chegar idealmente. A apresentação foi bastante espacial e a criatividade do público um requisito. Depois das duas apresentações, a bar das caipirinhas abriu e a discussão continuou animada. O Tito, que além de estudar algas também é DJ, tocou afrobeats e o feriado no dia seguinte permitiu uma troca cada vez mais animada, numa noite linda no escritório da swissnex Brazil.